"Testemunhar e anunciar a mensagem cristã, conformando-se com Jesus Cristo"

Páginas

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Hoje é Dia de São Padre Pio


Amados irmãos e irmãs

  No centro da minha peregrinação a este lugar, onde tudo fala da vida e da santidade de Padre Pio de Pietrelcina, tenho a alegria de celebrar para vós e convosco a Eucaristia, mistério que constitui o âmago de toda a sua existência: a origem da sua vocação, a força do seu testemunho e a consagração do seu sacrifício (...). Há pouco ouvimos o Evangelho da tempestade acalmada, que foi acompanhado de um texto breve mas incisivo do Livro de Jó, em que Deus se revela como o Senhor do mar. Jesus ameaça o vento e ordena ao mar que se acalme, interpelando-o como se ele se identificasse com o poder diabólico. Com efeito, segundo o que nos dizem a primeira Leitura e o Salmo 106 [107], na Bíblia o mar é considerado um elemento ameaçador, caótico e potencialmente destruidor, que somente Deus, o Criador, pode dominar, governar e acalmar.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Ainda há razões para que as mulheres usem o véu na Igreja?


  Por que São Paulo aconselha as mulheres a manter a cabeça coberta durante ações litúrgicas? O Código de Direito Canônico de 1917 prescrevia para as mulheres a manter a cabeça coberta na igreja, especialmente no momento da Sagrada Comunhão [1]. No novo Código não há qualquer vestígio desta disposição e agora este costume antigo e venerável caiu no esquecimento; e ainda era baseado em uma disposição do Apóstolo São Paulo. Mas, entre a exegese moderna racionalista, que tende a remover todas as disposições especiais ("passé..."), e o clichê infame que "o homem de hoje" não haveria mais de poder compreender certas coisas, até mesmo o costume de as mulheres cobrirem suas cabeças na igreja, foi perdida.

Comissão da reforma do Processo matrimonial é criada e perguntas pairam no ar


  O sigilo na Igreja é e sempre foi algo natural e necessário. Às vezes, no entanto, curioso e intrigante. Foi o que aconteceu nesta semana. A Sala de Imprensa da Santa Sé divulgou no sábado passado (20) que em 27 de agosto de 2014, quase um mês atrás, o Santo Padre assinou o ato de criação da uma “Comissão Especial de estudo para a reforma do processo matrimonial”.  Não podemos nos esquecer que estamos a cerca de duas semanas do começo do “Sínodo para a Família”, que decorre a partir de 5 de Outubro e que discutirá questões complexas e polêmicas sobre o status atual da família, sobre a indissolubilidade do matrimônio e a comunhão a alguns recasados. O anúncio discreto da criação desta Comissão tem mais força do que parece ser e foi delicadamente retido até agora.

domingo, 21 de setembro de 2014

Viagem do Santo Padre, o Papa Francisco a Albânia


  Entre os vários encontros e compromissos do Papa na Albânia, o ponto alto foi a solene celebração da Santa Missa, na Praça Madre Teresa, em Tirana. Antes da celebração Eucarística, o Prefeito da cidade, Lulzim Xhelar Basha, acompanhado de sua esposa, cumprimentou o Bispo de Roma e lhe entregou as chaves da capital albanesa. Durante a Santa Missa, da qual concelebraram numerosos bispos e sacerdotes, na presença de uma grande multidão de fiéis, o Papa Francisco pronunciou sua homilia, partindo do Evangelho de hoje, no qual Jesus chama, além dos Doze Apóstolos, também outros setenta e dois discípulos e os envia às aldeias e às cidades para anunciar o Reino de Deus. Jesus veio trazer ao mundo o amor de Deus e o irradia através da comunhão e da fraternidade – explicou o Pontífice -. Deste modo, ele forma uma comunidade de discípulos: uma comunidade missionária, que a treina para a missão, para “partir em missão”.

"Quando se pretende, em nome de uma ideologia, expulsar Deus da sociedade, acaba-se adorando ídolos", diz o Papa


  Em sintonia com o que afirmara já de manhã às Autoridades e ao Corpo Diplomático, de tarde, no encontro com os líderes das diferentes religiões, na Universidade Católica, o Santo Padre advertiu “não é digno de Deus nem do homem” qualquer “uso distorcido da religião”. “Matar em nome de Deus é sacrilégio. Discriminar em nome de Deus é desumano”. O Papa começou por recordar que a Albânia foi testemunha das inúmeras violências e dramas que pode causar a exclusão forçada de Deus da vida pessoal e comunitária.

sábado, 20 de setembro de 2014

Eleições 2014: um blefe de candidatos


  Há de se dar plena razão aos que consideram a participação dos candidatos nos debates veiculados pelos meios de comunicação inócua e pouco relevante para o processo de discernimento dos eleitores. Também são coerentes os argumentos dos que apontam a propaganda eleitoral como verdadeira enganação. Pode não chegar a tanto, mas essas produções chamam a atenção pela exposição pouco nobre de pessoas que, no afã de ganhar voto, por meio de seus discursos, se desenham como “salvadoras da pátria”. Em suas falas, buscam aproximar-se dos heróis da ficção. Talvez, possa até constituir objeto de estudo a semelhança entre os personagens folclóricos da literatura e a imagem que a propaganda eleitoral produz sobre candidatos. Eles aparecem como cidadãos e cidadãs com identidade, trajetória e história não condizentes com o que, de fato, são; e sempre longe do que podem vir a ser. Viver de miragens do próprio ego, incontestavelmente, é uma das mais trágicas situações existenciais, com a produção de prejuízos para a cidadania e comprometimentos sérios na vida política.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Desabafo de um Bispo sobre certas Liturgias


  Pobres dos fiéis católicos que frequentam as Santas Missas em muitas de nossas igrejas… Submetidos tantas vezes às arbitrariedades de uma pseudo-liturgia pautada por distorções, abusos, ridículas inserções de palmas, agitação de folhetos, danças, símbolos e mais símbolos que não simbolizam nada. Quanto abuso! Quanta arbitrariedade! Quanta falta de respeito não só para com Aquele para quem deveria dirigir-se a celebração, mas também para com os pobres fiéis que são obrigados a engolir esdrúxulas situações falsamente chamadas de 'inculturação litúrgica', mas que na verdade revelam falta de fé ou a ignorância das mais elementares verdades da fé em relação à Eucaristia, à Presença Real e outras.